Posts Marcados: Jorge Forbes

#Férias todo dia

Por Valéria Belém

Meu desafio para você é aproveitar o seu dia até o último minuto. E fazer o mesmo ao acordar amanhã. Vamos lá, você consegue.

Anúncios

#Férias todo dia

Por Valéria Belém

Meu desafio para você é aproveitar o seu dia até o último minuto. E fazer o mesmo ao acordar amanhã. Vamos lá, você consegue.

O exercício do novo amor

Por Valéria Belém

Será que em algum momento nos últimos anos você conheceu alguém e, justamente porque tudo estava indo muito bem, sentiu um medo terrível de perder aquela felicidade toda? É nessa hora que começamos a boicotar os relacionamentos da pior forma.

O exercício do novo amor

Por Valéria Belém

Será que em algum momento nos últimos anos você conheceu alguém e, justamente porque tudo estava indo muito bem, sentiu um medo terrível de perder aquela felicidade toda? É nessa hora que começamos a boicotar os relacionamentos da pior forma.

Nude Before a Mirror (Balthus, 1955)

Eu sou o máximo!

Luciene Godoy // Acho louvável o esforço que as pessoas estão fazendo para se sentirem bem consigo mesmas, para se valorizarem e, por isso mesmo, conseguirem gostar de si mesmas. Acho um feito alguém conseguir, deveras, gostar de si mesmo.

Destacado / Deixe um comentário
Nude Before a Mirror (Balthus, 1955)

Eu sou o máximo!

Luciene Godoy // Acho louvável o esforço que as pessoas estão fazendo para se sentirem bem consigo mesmas, para se valorizarem e, por isso mesmo, conseguirem gostar de si mesmas. Acho um feito alguém conseguir, deveras, gostar de si mesmo.

Destacado / Deixe um comentário
Desire (Thomas Rowlandson, 1800) - www.metmuseum.org

Quem semeia desejo colhe muita coisa!

Rejane Ferreira // Aquele dito popular de que “Quem planta, colhe” pode não estar funcionando direito. Ao menos não numa sequência linear. Estamos numa fase de muitas mudanças rápidas e podemos adaptar o plantio para outra finalidade a qualquer momento.

Destacado / Um Comentário
Desire (Thomas Rowlandson, 1800) - www.metmuseum.org

Quem semeia desejo colhe muita coisa!

Rejane Ferreira // Aquele dito popular de que “Quem planta, colhe” pode não estar funcionando direito. Ao menos não numa sequência linear. Estamos numa fase de muitas mudanças rápidas e podemos adaptar o plantio para outra finalidade a qualquer momento.

Destacado / Um Comentário
Mother and Child (Kitagawa Utamaro, 1793) - www.metmuseum.org

Parentalidade, ser pai e mãe hoje

Luciene Godoy // Será que já nos demos conta de que nos mudamos do planeta “Terra 1” e hoje vivemos no “Terra 2”? Tudo mudou de forma incontrolável, diz o psicanalista Jorge Forbes, que nos define hoje como seres desbussolados,

Destacado / Deixe um comentário
Mother and Child (Kitagawa Utamaro, 1793) - www.metmuseum.org

Parentalidade, ser pai e mãe hoje

Luciene Godoy // Será que já nos demos conta de que nos mudamos do planeta “Terra 1” e hoje vivemos no “Terra 2”? Tudo mudou de forma incontrolável, diz o psicanalista Jorge Forbes, que nos define hoje como seres desbussolados,

Destacado / Deixe um comentário

Não é comigo

Luciene Godoy // Penso que “não é comigo” é a frase menos falada e mais vivida em nossas relações diárias com os outros e com nós mesmos. Não falamos, mas fazemos. Não falamos, mas agimos guiados por esse princípio: o

Não é comigo

Luciene Godoy // Penso que “não é comigo” é a frase menos falada e mais vivida em nossas relações diárias com os outros e com nós mesmos. Não falamos, mas fazemos. Não falamos, mas agimos guiados por esse princípio: o

Woman at a mirror (Theo van Rysselberghe, 1907)

Eu sou uma mentira

Luciene Godoy Comecemos com cuidado porque essa frase é, no mínimo, desagradável de se ouvir. Confessar assim em público que somos um engodo, quem sabe mesmo um produto falsificado. Será a já propalada “síndrome do fake” – uma sensação de

Woman at a mirror (Theo van Rysselberghe, 1907)

Eu sou uma mentira

Luciene Godoy Comecemos com cuidado porque essa frase é, no mínimo, desagradável de se ouvir. Confessar assim em público que somos um engodo, quem sabe mesmo um produto falsificado. Será a já propalada “síndrome do fake” – uma sensação de