Por que a gente não se entende

Por Luciene Godoy e Valéria Belém
Nem sempre a gente entende a língua que o outro fala porque está tudo lá, na cabeça dele. Então, somos os felizes proprietários de milhões de palavras que só fazem sentido para nós mesmos, uma linguagem própria e intransferível.

Com que olhos você me vê?

Por Luciene Godoy
Apesar do descompasso do tempo, da posição e do parceiro, a primeira relação de amor é tudo o que possuímos para nos ajudar a mudar o que é necessário, para ser bem-sucedido neste mesmo/novo tipo de amor.

O que é o amor?

Luciene Godoy // Lacan dizia que amar é querer fazer “Um”, tentar a partir de dois fazer um. Quanto a isso, ele não deixa a menor dúvida no seu Seminário 20, em que afirma: “Nós dois somos um só. Todo mundo sabe, com certeza, que jamais aconteceu, entre dois, que eles sejam só um, mas,Continue reading “O que é o amor?”

Ser homem&mulher

Luciene Godoy // Qual é o sexo forte? Hã?! Será que esta pergunta ainda faz sentido? É… não estamos mais em situação de cair na armadilha de acreditar que tem UM sexo forte ou mesmo UM sexo frágil, mas a resposta a respeito do sexo forte é possível, sim: os dois, se estiverem juntos na mesma pessoa.Continue reading “Ser homem&mulher”

Em Paris, mortos matam gente

Luciene Godoy // Paris está em guerra. O mundo ocidental está sob surda ameaça em cada esquina. Quem estaria fora? Cada um de nós toma esses acontecimentos a sua maneira. Tenho o hábito de ir anualmente à jornada da École de la Cause Freudienne, que começaria no dia 14, sábado. Na véspera, tudo aconteceu. AContinue reading “Em Paris, mortos matam gente”

As crianças do futuro

Luciene Godoy // Ultimamente, tenho recebido em meu consultório mães e pais de crianças – veja bem, não de “aborrecentes” (perdoe-me o interessado no assunto, fica aqui a promessa de dar o meu viés muito mais simpático a essa fase da vida) – que se sentem perdidos e impotentes diante do que suas crianças fazem.Continue reading “As crianças do futuro”

Nossos “eus”

Luciene Godoy // Será que nós já nascemos com “eu”? Curto e grosso, não. Não nascemos com um “eu”. Então, quando é que ele nasce? Ops! Será que o “eu” nasce? Será que ele é desenvolvido? Será que aparece de repente? Você já pensou no assunto? Será que o meu “eu” é quem eu sou?Continue reading “Nossos “eus””