Posts Marcados: pele

Quantos corpos nós temos?

Por Luciene Godoy

Ao deixarmos de parasitar o corpo do outro materialmente no útero, na imagem do outro e no simbólico, abrimos acesso para, finalmente, ter um corpo para chamarmos de nosso.

Anúncios

Quantos corpos nós temos?

Por Luciene Godoy

Ao deixarmos de parasitar o corpo do outro materialmente no útero, na imagem do outro e no simbólico, abrimos acesso para, finalmente, ter um corpo para chamarmos de nosso.

Lady Lilith (Dante Gabriel Rossetti, 1867) - www.metmuseum.org

O ser humano é um ser fora de si

Luciene Godoy // Uma frase proferida diversas vezes por Leandro Karnal – historiador e professor da Unicamp – em uma palestra sobre a vaidade permaneceu ressoando de novo e de novo em meus ouvidos. A ideia era mais ou menos

Destacado / Um Comentário
Lady Lilith (Dante Gabriel Rossetti, 1867) - www.metmuseum.org

O ser humano é um ser fora de si

Luciene Godoy // Uma frase proferida diversas vezes por Leandro Karnal – historiador e professor da Unicamp – em uma palestra sobre a vaidade permaneceu ressoando de novo e de novo em meus ouvidos. A ideia era mais ou menos

Destacado / Um Comentário
Self-Portrait (Samuel Joseph Brown, Jr. 1941) - http://metmuseum.org

Nossos “eus”

Luciene Godoy // Será que nós já nascemos com “eu”? Curto e grosso, não. Não nascemos com um “eu”. Então, quando é que ele nasce? Ops! Será que o “eu” nasce? Será que ele é desenvolvido? Será que aparece de

Destacado / Um Comentário
Self-Portrait (Samuel Joseph Brown, Jr. 1941) - http://metmuseum.org

Nossos “eus”

Luciene Godoy // Será que nós já nascemos com “eu”? Curto e grosso, não. Não nascemos com um “eu”. Então, quando é que ele nasce? Ops! Será que o “eu” nasce? Será que ele é desenvolvido? Será que aparece de

Destacado / Um Comentário
Clothing the naked (Michiel Sweerts, 1661) - www.metmuseum.org

Consumismo, o enfeite do “eu”

Luciene Godoy // Ao vestirmos uma roupa nova, por exemplo, passamos a possuir um objeto que não tínhamos. Sentimos um bem-estar que pode durar minutos, horas, dias ou até mesmo muito tempo. Durar muito tempo é a exceção, não a

Destacado / Deixe um comentário
Clothing the naked (Michiel Sweerts, 1661) - www.metmuseum.org

Consumismo, o enfeite do “eu”

Luciene Godoy // Ao vestirmos uma roupa nova, por exemplo, passamos a possuir um objeto que não tínhamos. Sentimos um bem-estar que pode durar minutos, horas, dias ou até mesmo muito tempo. Durar muito tempo é a exceção, não a

Destacado / Deixe um comentário