Com certeza já assistimos a cenas em que alguém irritado, esbravejandogritava: “ Mas você está sendo injusto, pra você são dois pesos e duas medidas”. Que seria o mesmo que dizer: “Você é tendencioso, está puxando brasa para a sua sardinha, quer deturpar as coisas para o seu próprio benefício”.
“São dois pesos e duas medidas” deixa a gente na impossibilidade de esperar justiça das pessoas. Melhor seria dizer justeza, uma forma de avaliação imparcial, que refletisse a realidade e não o que se deseja impor.
Vou piorar um pouco mais as coisas: é muito pouco ter somente dois pesos e duas medidas, precisamos de muitos pesos e muitas medidas. Se pensarmos que as situações não se repetem, seria mais eficaz usarmos, de fato, um peso e uma medida para cada momento. Bem mais apropriado não acham?
O que faz com que não gostemos é, na verdade, a repetição do mesmo peso e da mesma medida sempre – sem saber, é claro, que o que está por detrás é sempre a mesma mensagem. Aí a pessoa vai adulterando a realidade para caber dentro de sua fantasia, falando e fazendo coisas sem sentido, que nos deixam loucas: “Uma hora você diz que quer e quando tem diz que não é isso, quando perde diz que queria sim.” Qual é a lógica? Socorro! Alguém pelo amor de Deus me explique!
Boa pergunta: qual é a lógica?
É porque cada um de nós tem uma única lógica subjacente a tudo o que fazemos. É o que tem o nome de “inconsciente” em psicanálise.
Eis um exemplo: aquele cara que tinha a certeza de sua incompetência e passa uma vida se valendo de fatos ao seu redor para, a cada vez, dar-se o carimbo de incompetente. Esta é a prisão que construímos para nós mesmos.
E quando era bem sucedido? Ah! Aí ele se assustava, dizia que era uma sorte, que a vida lhe estava dando mais do que merecia e se sentia um farsante que seria descoberto a qualquer instante. O pobrezinho se media sempre pela mesma medida. O que fazia com que medisse tudo o mais de maneiras absurdas para caber dentro de sua realidade psíquica como dizia Freud. Ou seja, para confirmar a historiazinha de sua vida que contava para si mesmo o tempo todo.
“São muitos pesos e muitas medidas” é libertador. É poder admitir as variações infinitas possíveis da vida, das escolhas, dos prazeres…
O limitador e escravizante é só ter dois pesos e duas medidas. Para a complexidade do que é o ser humano é ter muitos pesos e muitas medidas.
A rigor, pesos e medidas diferentes para cada situação.
Enriqueça –se de pesos e medidas. É simplesmente… L-I-B-E-R-T-A-D-O-R.