Posts Marcados: Jacques Lacan

Cain Killing Abel (Lucas van Leyden, 1524) - www.metmuseum.org

Em Paris, mortos matam gente

Luciene Godoy // Paris está em guerra. O mundo ocidental está sob surda ameaça em cada esquina. Quem estaria fora? Cada um de nós toma esses acontecimentos a sua maneira. Tenho o hábito de ir anualmente à jornada da École

Destacado / Deixe um comentário
Cain Killing Abel (Lucas van Leyden, 1524) - www.metmuseum.org

Em Paris, mortos matam gente

Luciene Godoy // Paris está em guerra. O mundo ocidental está sob surda ameaça em cada esquina. Quem estaria fora? Cada um de nós toma esses acontecimentos a sua maneira. Tenho o hábito de ir anualmente à jornada da École

Destacado / Deixe um comentário
Desire (Thomas Rowlandson, 1800) - www.metmuseum.org

Quem semeia desejo colhe muita coisa!

Rejane Ferreira // Aquele dito popular de que “Quem planta, colhe” pode não estar funcionando direito. Ao menos não numa sequência linear. Estamos numa fase de muitas mudanças rápidas e podemos adaptar o plantio para outra finalidade a qualquer momento.

Destacado / Um Comentário
Desire (Thomas Rowlandson, 1800) - www.metmuseum.org

Quem semeia desejo colhe muita coisa!

Rejane Ferreira // Aquele dito popular de que “Quem planta, colhe” pode não estar funcionando direito. Ao menos não numa sequência linear. Estamos numa fase de muitas mudanças rápidas e podemos adaptar o plantio para outra finalidade a qualquer momento.

Destacado / Um Comentário
Two Children Teasing a Cat (Annibale Carracci, 1560-1609) - http://metmuseum.org

As crianças do futuro

Luciene Godoy // Ultimamente, tenho recebido em meu consultório mães e pais de crianças – veja bem, não de “aborrecentes” (perdoe-me o interessado no assunto, fica aqui a promessa de dar o meu viés muito mais simpático a essa fase

Destacado / Deixe um comentário
Two Children Teasing a Cat (Annibale Carracci, 1560-1609) - http://metmuseum.org

As crianças do futuro

Luciene Godoy // Ultimamente, tenho recebido em meu consultório mães e pais de crianças – veja bem, não de “aborrecentes” (perdoe-me o interessado no assunto, fica aqui a promessa de dar o meu viés muito mais simpático a essa fase

Destacado / Deixe um comentário
Bedroom from the Sagredo Palace (Stuccowork probably by Abbondio Stazio of Massagno, 1718)

Os úteros que a vida nos dá

Luciene Godoy // Quando tudo está desabando em nossas cabeças, às vezes dizemos que queríamos voltar para o útero materno. Cultivamos a sensação de que, antes de começarem todas as mudanças, conflitos, desafios a serem vencidos, tínhamos a paz do

Destacado / Deixe um comentário
Bedroom from the Sagredo Palace (Stuccowork probably by Abbondio Stazio of Massagno, 1718)

Os úteros que a vida nos dá

Luciene Godoy // Quando tudo está desabando em nossas cabeças, às vezes dizemos que queríamos voltar para o útero materno. Cultivamos a sensação de que, antes de começarem todas as mudanças, conflitos, desafios a serem vencidos, tínhamos a paz do

Destacado / Deixe um comentário
Self-Portrait (Samuel Joseph Brown, Jr. 1941) - http://metmuseum.org

Nossos “eus”

Luciene Godoy // Será que nós já nascemos com “eu”? Curto e grosso, não. Não nascemos com um “eu”. Então, quando é que ele nasce? Ops! Será que o “eu” nasce? Será que ele é desenvolvido? Será que aparece de

Destacado / Um Comentário
Self-Portrait (Samuel Joseph Brown, Jr. 1941) - http://metmuseum.org

Nossos “eus”

Luciene Godoy // Será que nós já nascemos com “eu”? Curto e grosso, não. Não nascemos com um “eu”. Então, quando é que ele nasce? Ops! Será que o “eu” nasce? Será que ele é desenvolvido? Será que aparece de

Destacado / Um Comentário
Dancing in Colombia (Fernando Botero, 1980) - www.metmuseum.org/

Especial Namorados (I): Dançar com a vida

Luciene Godoy // Dançar com o outro, com o ser amado, é também dançar com a vida. Dançamos em muitos lugares à condição de termos corpo. Não estranhe essa afirmativa. Ter corpo não é coisa para qualquer um. Ter um

Destacado / Deixe um comentário
Dancing in Colombia (Fernando Botero, 1980) - www.metmuseum.org/

Especial Namorados (I): Dançar com a vida

Luciene Godoy // Dançar com o outro, com o ser amado, é também dançar com a vida. Dançamos em muitos lugares à condição de termos corpo. Não estranhe essa afirmativa. Ter corpo não é coisa para qualquer um. Ter um

Destacado / Deixe um comentário
Woman at a mirror (Theo van Rysselberghe, 1907)

Eu sou uma mentira

Luciene Godoy Comecemos com cuidado porque essa frase é, no mínimo, desagradável de se ouvir. Confessar assim em público que somos um engodo, quem sabe mesmo um produto falsificado. Será a já propalada “síndrome do fake” – uma sensação de

Woman at a mirror (Theo van Rysselberghe, 1907)

Eu sou uma mentira

Luciene Godoy Comecemos com cuidado porque essa frase é, no mínimo, desagradável de se ouvir. Confessar assim em público que somos um engodo, quem sabe mesmo um produto falsificado. Será a já propalada “síndrome do fake” – uma sensação de

Nem junto nem separado

Luciene Godoy // “Tanto os apaixonamentos quanto as separações da nossa vida amorosa são decididas por dinâmica que pouco tem a ver com os defeitos do outro… ou com as circunstâncias”, afirma Contardo Calligaris em um de seus artigos. Em

Nem junto nem separado

Luciene Godoy // “Tanto os apaixonamentos quanto as separações da nossa vida amorosa são decididas por dinâmica que pouco tem a ver com os defeitos do outro… ou com as circunstâncias”, afirma Contardo Calligaris em um de seus artigos. Em