Eu sou uma mentira

Woman at a mirror (Theo van Rysselberghe, 1907)

Woman at a mirror (Theo van Rysselberghe, 1907)

Luciene Godoy

Comecemos com cuidado porque essa frase é, no mínimo, desagradável de se ouvir. Confessar assim em público que somos um engodo, quem sabe mesmo um produto falsificado. Será a já propalada “síndrome do fake” – uma sensação de não sermos o que mostramos?

Tenho um amigo que ao se apresentar para mim, há muitos anos, ao final de nossa primeira conversa, num momento de emoção e confiança, disse curto e grosso, em tom de desabafo: “Eu sou um engodo. Pra você eu posso dizer isso. Eu não sou nada do que as pessoas pensam de mim. Eu não sou quem eu apresento ser.”

Passado todo esse tempo, me vejo pensando em quanto sofrimento essa pessoa deve ter passado por pensar que tinha algo errado com ela. E com quanta irritação ela deve ter tratado os seus próximos, pois a irritação de um mundo interno sofrido passa para fora em forma de agressividade.

Por mais contida que seja, e geralmente é, a pessoa escapa e atinge quem está próximo. Magoamos nossos amados sem motivo aparente e nos sentimos culpados, o que gera necessidade de punição para nos aliviarmos. E alivia mesmo? Não. O castigo apenas faz girar o carrossel negro da infelicidade, que dá voltas e voltas em torno do mesmo eixo sem saída, sem mudança.

A prisão de nos sentirmos uma mentira…

Será que alguém consegue sempre mostrar o que é? Ou pior, será que alguém consegue mesmo mostrar o que é?

Uma abelha mostra e mostrará sempre o que é. Podemos esperar dela as mesmíssimas ações. Para cada animal, teremos uma lista do que é ou não possível esperar. Para o ser humano, a lista é infinita, se ele não estiver morto.

Não estranhe se sentir um engodo, uma mentira, algo que falseia e que aparece sempre onde não é esperado. É isso que somos mesmo e a isso damos o nome de subjetividade. É próprio do ser humano não saber nunca inteiramente dele mesmo.

Repetir-se é doença, é neurose, é a fixação buscada para não sair do lugar e se arriscar. Seres vivos mudam a cada momento em muitos aspectos. Nós então, nem se fala.

A doença não é mancar, não é errar – essa é a condição de quem faz. A doença é a “repetição”. É a cegueira neurótica, como afirma o psicanalista Jorge Forbes: “A neurose é a forma perfeita de se ter sempre razão.” Uma tentativa inglória de não se sentir errado e falso porque nada de novo está acontecendo.

Então não mudar é o que nos dá consistência? Estarmos sempre onde é esperado? Isso é para as abelhas. O ser humano, se estiver vivo, muda o tempo todo, aprende o tempo todo.

O próprio do ser humano é ser paradoxal, ser inesperado, ser inventivo, e isso se não estiver morto, como falo sempre – quer dizer, se não estiver fixado.

O psicanalista Lucien Israël diz que toda subjetividade é louca, porque ela sai das referências da “normalidade”. O normal, a regra para o ser humano, é ser diferente. Diferente do outro, diferente do que ele mesmo supõe, diferente do que é esperado.

Um ser que a cada passo é outro e que, se não for, está dodói da subjetividade. Nesse caso, esse seu jeito único de ser está trancafiado dentro de algum porão obscuro sendo impedido de sair pelo medo do inesperado que pode causar. Pena! A surpresa, o novo, o movimento são tão prazerosos que, quando acontecem, costumamos gostar muito. Só que, covardemente, fugimos do que não controlamos!

Para os que estão sofrendo por se sentirem não verdadeiros, Lacan propõe uma maneira inusitada e bastante eficaz para nos enxergarmos e nos posicionarmos como somos de fato, seres inclassificáveis. O grande analista francês nos convida a estar na vida com nossas construções de sentido, com nossas interpretações, sabendo que nos sustentamos com as nossas “verdades mentirosas”.

C’est ça!


Artigo originalmente publicado no jornal O Popular em 10 de abril de 2015.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: