O que é uma obra de arte

Uma obra de arte é algo da intimidade da pessoa e que, ao ser colocado no mundo, toca as outras naquilo que têm de mais íntimo.

Penso que cada um de nós é uma obra de arte.

No século 21 temos as condições históricas para funcionarmos como artistas. Ou seja, aqueles seres privilegiados que proclamam sua singularidade, o seu jeito único de ser ao mundo, e ainda por cima se sustentam sendo o que são.

Não nos esqueçamos que o nosso tempo dá boas vindas à criatividade, à inovação, ao diferente e, portanto, à unicalidade de cada um.

No entanto, jogamos tantas obras de arte no lixo.

Isto é, a meu ver, o que promove a pobreza no mundo, a pobreza das relações, principalmente.

As pessoas nos dão belos presentes, que são suas jóias e obras de arte: um sorriso, o brilho no olhar, uma frase tirada do fundo de sua experiência. E nós? O que fazemos nós?

Nem notamos.

Jogamos no lixo.

Dia desses tive uma história banalmente rica. Estava esticada na cadeira da dentista, que habilmente consertava um dente quebrado. Com aquele avental sobre mim, a boca cheia de objetos diversos entrando e saindo, e eu ali completamente impotente.

De repente, a mão da Alessandra, a auxiliar, com imenso carinho e delicadeza, aliviou-me retirando um tufo de cabelo que me caía sobre a testa.

Aquela mão delicada sobre minha fronte me trouxe imenso conforto naquele momento.

Não bastasse isso, de vez em quando ela ajeitava meu avental ou secava uma gota d’água na bochecha.

Isso é belo. Isso é arte. Arte de viver, respeitar e amar o ser humano que precisa da gente em dado momento.

Silvia, a dentista, com grande preocupação com o meu conforto e com a perfeição que exigia de seu trabalho, era também um tesouro, que eu registro, reconheço e agradeço.

Ou o dr. Rafael, que, na manhã em que meu marido dormia na UTI, me viu no corredor, chegou com um sorriso, pegou minha mão, me olhou fundo nos olhos e disse que estava tudo bem. Eu quis pular em seu pescoço ao agradecê-lo. O que acabei fazendo, sem conter as lágrimas no aeroporto, num encontro casual em que chegava com sua mulher grávida de sua filhinha Júlia.

Dinheiro paga o profissional. Nada paga o cuidado humano respeitoso e o carinho.

Retribuo jogando essas experiências no mundo para animar a galera a parar com esse desperdício de obras de arte.

Quantos presentes ganhamos no dia a dia e não registramos nem degustamos? É o caixa que faz um gracejo, o motorista do carro que te dá passagem no corre-corre…

Obra de arte é o ser humano lutando para viver feliz sabendo que pode morrer a qualquer momento. Que pode perder um ente querido, ser visitado pela desgraça.

Somos todos artistas da arte de viver. Não nos esqueçamos de dar a isso o justo valor.

Anúncios

  1. André Renato Antoneli Colnago

    Hoje e em muitos outros momentos, Luciene, você tem sido minha obra de arte. Obrigado e retribuo seu artigo e seu carinho com um forte bacio.

  2. Silvia Trad

    Luciene , fiquei super emocionada com esse texto !!!!!!. VC havia nos avisado e eu e a Alessandra falamos em comprar o jornal e esquecemos , comentamos sobre nosso esquecimento .Daí dia seguinte procurei aqui e ainda nao havia sido publicado . Hj estava me lembrando de vc e resolvi ler os seus textos e me lembrei do que havia falado .Nao imaginava que eu e minha querida , fiel secretåria havíamos sido homenageadas por vc ,me senti muito feliz e importante….. Obrigada bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: