Máscaras em família

Nas festas em família cada qual fica na mira de tiro da confirmação do grupo. Confirmação da máscara social, do lugar que nos deram e queremos ver confirmados ou, ao contrário, queremos nos ver livres dele, nos comportando como o oposto do lugar marcado para nós.
Acreditamos demais nas máscaras.
Agredimos, explodimos, ficamos acuados.
A nossa identidade é móvel, mutante e flexível. Pode-se deixar de ser algo a qualquer momento que se queira. Porque é sempre de lugares que se trata. Não é “eu sou”, é muito mais “eu estou”.
Dou o exemplo de uma criança de 2 anos de idade que, no momento em que entrei no carro de seus pais, ocupando o banco de passageiro, lugar sempre ocupado pela mãe, começa a gritar e a dizer: “Não, não, não é a mamãe”. Ele já sabia que o lugar marca a identidade, mas como não somos uma poltrona de carro, aquele lugar é somente o que eu frequento e que me dá um nome temporário, muito pouco para dizer quem eu sou. Vou continuar a ser o que sou estando fora dele. Disso aquela criança ainda não sabe… e muitos adultos também não.
Quando alguém bole com nossa identidade, vem a fúria e o ataque.
Puro engodo o de achar que estamos correndo perigo de deixar de existir, como se estivéssemos sendo ameaçados de morte. Puro engodo.
É só mais uma casca – e temos tantas – sendo remexida. Podemos repô-la, modificá-la e, quem sabe, até viver melhor sem ela. No entanto, nos debatemos, vendo o outro como o inimigo que quer nos tirar a vida. Não é tirar a vida, é tirar (ou colocar) uma outra capa, uma outra roupa.
Poderemos vesti-la ou não.
A identidade é a roupa que vestimos para estar no mundo. Melhor dizendo, são “as roupas”, porque são várias. Mesmo aquelas pessoas que escolhem sempre os mesmos trapinhos surrados e previsíveis para se apresentar poderiam ter estiloso e variado guarda-roupa.
Mas há o medo da não aceitação do grupo.
É melhor não arriscar porque ser reconhecido com meia dúzia de trapinhos, ou deslumbrante alta-costura, que nos dão um lugar, é melhor do que ficar à deriva, fora do pertencimento, sem existência.
Se sabemos qual é o nosso eixo principal, a nossa “unicalidade”, aquelas características básicas que nos constituem, aquilo sem o qual não seríamos quem somos, não nos sentiríamos tão ameaçados.
Este é o nosso cerne. O resto pode mudar circunstancialmente, mas continuaremos a ser nós mesmos.
Exemplos da “vida como ela é”: a irmã afirma que a outra é preguiçosa e vive por conta da mãe. A acusada, enfurecida, derruba a mesa de Natal para mostrar que não o é, que a acusação é inaceitável.
Será que não pode mos aguentar outra pessoa pensar de nós o que não somos?
Talvez um dia a verdade venha a tona, ou não. Não dá pra depender.
Existem muitas respostas possíveis ou será que não podemos prosseguir sendo o que sentimos que somos, mesmo quando o outro diz o contrário?
Está vendo por que encontros de pessoas que fazem parte de nossa história ou do dia-a-dia – família e trabalho – mexem tanto com a gente?
É que neste momento as máscaras (leia-se: identidades) se encontram e o que não faltam são mãozinhas tentando arrancá-las, ou colocá-las de volta, quando porventura tenhamos conseguido mudá-las.
Os “eus” ficam ameaçados. A atmosfera é tensa.
Festas de semelhantes ficam cheias de homens e mulheres-bombas. Ameaçados e ameaçadores.
Não é nada disso e ao mesmo tempo é tudo isso.
A ameaça existe, mas não é letal.
Dá pra trocar de roupa sem trocar de cerne.
Temos uma imagem aos olhos dos outros, é fato, mas o que mais tem peso é a imagem que temos de nós mesmos e que nos mantêm no nosso cerne. Conscientes dela, poderemos, inclusive, mostrar que não somos o que o outro vê.
Somos nós, em últ ima instância, que comunicamos ao outro quem somos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: