Passar de ano ou mudar de ano?

Luciene GodoyPintura em estilo oriental (Autor: José Eduardo Agualusa)

Daqui a poucas horas vamos passar de um ano para o outro. Será que ao passarmos mudaremos mesmo de ano ou repetiremos o anterior?

Acho que aprendemos com a natureza que a vida anda em pulsações: manhã/tarde, dia/noite, primavera/verão, etc. Pois, nossa vida simbólica também, valendo-se, porém, de marcadores de mudanças de tempos, de períodos, como é o caso da passagem de ano.

No ano que passou fiz isso, nesse que entra quero aquilo, desejo alcançar tal e tal objetivo, e assim a vida caminha na pulsação do parar e usufruir/ do prosseguir e criar.

A combinação pulsante e dinâmica é: criar/usufruir/cortar. Depois, recomeçar de novo o ciclo, porém, não da repetição neurótica, mas da criação. Até porque cada dia é novo mesmo, mas precisa ser visto (criação), e vivido (usufruto) como tal, mas ele acaba e lá vem outro (corte).

É como campeonato de futebol. Um acaba, vem o outro e nisso vamos escrevendo nossa história e tornando realidade o que as circunstâncias de nossas vidas nos oferecem apenas como possibilidade.

Achei genial, e por isso partilho com voces o que um cliente amante da computação disse: “Vamos ver qual vai ser minha versão desse ano!”.  Sabemos bem que temos as versões atualizadas dos computadores, com falhas equacionadas e inovações, então pensei: “Por que não investirmos em uma versão melhorada de nós mesmos a medida que o tempo passa?”.  Sonhando demais? Não acho!

Bem explicado! O novo a que me refiro não é comprar mais um objeto, o modelo mais recente. Falo aqui de inovações que podem se dar no “OLHAR” ao ver o que você já tem de maneira nova.

Acho mesmo que a maior pobreza do ser humano é não perceber o quanto tem, mas ficar sempre ligado ao que não tem. Ter um novo olhar para o que você é e tem e fazer novas utilizações: daquela calça que nunca foi usada com aquela blusa, e que, no entanto, fica linda, se faz uma nova roupa sem que se tenha que comprar mais.

Olhar ao redor com olhar reciclador – usando o velho para criar o novo. Como a amiga que, ao ganhar de herança a velha penteadeira inútil da avó, a transformou numa escrivaninha única que nenhum dos amigos admiradores podem comprar.

Então, que tal incluir nos seus projetos para o próximo ano, primeiramente gostar e usufruir do que você já tem, e das maneiras as mais variadas, para, só depois, pensar em comprar algo novo? Eu garanto, “redescobrir” o novo em algo que já temos é tão ou mais prazeroso do que comprar uma novidade qualquer.

Feliz versão 2011 para todos!!


Publicado originalmente no jornal O Popular em 30 de dezembro de 2010.

Anúncios

Um Comentário

  1. Andreia

    MAGNIFICO!!!! Parabéns. Não tenho mais palavras para elogiar.
    Andreia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: