A (falsa) modéstia e suas consequências danosas

Mulher ao espelho (Pablo Picasso, 1939)

Luciene Godoy*

Efetivamente, é difícil pensar na modéstia como um provocador de malefícios, afinal somos educados desde pequenos ouvindo falar que é muito feio ser uma pessoa “metida, arrogante”.

Acho, por isso mesmo, delicado e muito difícil propor uma nova forma de ver o referido valor, afinal ele é, indiscutivelmente, bastante aceito e defendido por muitos.

Meu argumento é outro. Vocês já pararam para observar que é muito comum alguém ao nosso redor, ou nós mesmos (quando conseguimos nos enxergar um pouquinho que seja!) recebermos algum elogio e automática e rapidamente respondermos – “Ah! Imagina! Isso não é nada!” ou outras do gênero?

Por outro lado, o psicanalista Jorge Forbes nos convida a “sustentarmos as nossas qualidades”. É que ele afirma que na neurose o sujeito não quer se responsabilizar por nada, nem mesmo por sustentar algo elogiável que tenha conseguido fazer. Tem medo de ser cobrado pelo outro a ser cada vez mais, cada vez melhor. Portanto vê no ato de aceitar o elogio uma ameaça de predação.

Bem, mas qual o problema? Onde estão as tais conseqüências maléficas que ninguém vê?  Parece que nesse mundo narcisista de hoje todo mundo é muito é vaidoso e só quer saber de receber elogios!

Ah Eh?!! Então repare melhor e você vai ver que não é bem assim o que realmente acontece. Todo mundo quer receber o elogio, mas não o aceita abertamente, com o prazer do qual, na verdade, poderia usufruir.

Mas ainda não chegamos às conseqüências danosas.

Vamos a elas!

O psiquismo humano tem o seguinte funcionamento: o que não é reconhecido não existe.

Agora já deu prá perceber, não é? É isso. Se não recebermos reconhecidamente o elogio, isto é, a confirmação de nossas qualidades, elas, de fato, não vão existir para nós, e, por isso, estaremos literalmente jogando fora todos os nossos esforços para alcançarmos uma vida mais qualificada. É por causa dessa forma de agir que o sujeito acorda nu e pobre todas as manhãs.  Como no  mito de Sísifo carregando a pedra montanha acima e lá em cima ela rolando para baixo. Na manhã seguinte recomeça o trabalho inglório. É exatamente da mesma coisa que estou falando.

Sustentar as nossas qualidades nos tira da pobreza emocional, de ficar o tempo todo querendo gostar de si, ser valorizado e ao mesmo tempo desconstruindo as possibilidades de que isso aconteça.

A escolha é sua!!

Vai continuar na (falsa) modéstia ou vai arriscar tomar posse das qualidades que você luta constantemente para ter?


Artigo publicado originalmente no jornal O Popular, em 2 de setembro de 2010.

Anúncios

  1. Marilda

    Muito bom mesmo este texto. Vou entrar sempre para ler seus artigos. Beijos!!!

  2. Juliano Magoga

    Otimo texto, muito bom mesmo, parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: